Padre José Carlos Sá toma posse como pároco de Vila das Aves

O Padre José Carlos Sá tomou posse, na tarde deste domingo, como novo pároco de Vila das Aves, sucedendo ao Padre Fernando de Azevedo Abreu que esteve durante quase 40 anos à frente dos destinos desta paróquia. “Vamos fazer caminho juntos”, disse prometendo uma pastoral paroquial diferente do seu antecessor.

Em virtude da situação pandémica que vivemos, a tomada de posse não pôde contar com a igreja cheia, mas ficou rapidamente com a sua lotação esgotada, tendo muitos paroquianos que ficar no adro da igreja a ouvir a cerimónia, pela instalação sonora colocada para o efeito, tendo tido oportunidade de assistir à chegada do novo pároco ladeado pelos escuteiros locais.

A celebração começou com a leitura da carta de nomeação do Arcebispo de Braga, D. Jorge Ortiga, datada de 19 de julho de 2020, bem como com o juramento do novo pároco para o exercício das novas funções. Em nome do Conselho Económico Paroquial de Via das Aves, Eugénia Dias, deu as boas vindas em nome de toda a comunidade, acolhendo o novo pároco como “nosso novo pastor”. Recebeu, simbolicamente, as chaves da igreja matriz mas pretendendo significar que agora, o Padre José Carlos Sá tem à sua disposição “as chaves das nossas casas” e sobretudo “as chaves para chegar ao coração de toda a comunidade”. “Anime e fortaleça a nossa fé”, pediu a responsável ao sacerdote que depois de receber também ramos de flores percorreu a igreja e benzeu todos os presentes.

A celebração, além de contar com a presença do Arcipreste de Famalicão, o Padre Francisco Carreira, contou com o Padre Abel Maia e com o Padre Comboniano, Alberto Vieira.

José Carlos Sá, na homilia, disse que assumir a paróquia avense “é uma grande responsabilidade”, considerando que acumula funções com mais duas paróquias, Sequeirô e Lama. Confessou que pediu ao Arcebispo “para não vir para as Aves”, mas acabou por ceder ao pedido de D. Jorge Ortiga. De forma simples e direta disse “não ter vocação para ser gestor”, mas antes para “ser pároco, ou seja, para evangelizar”. “Faz mais falta a palavra de Deus, do que ritos, hábitos e tradições que apenas enchem espaço”, enfatizou, continuando, afirmou que “o centro deve ser a Palavra e falar de Jesus, pois é isso que dá sentido à nossa pastoral”.

Com a sua família presente, nomeadamente a sua mãe, com quem vive, o padre José Carlos Sá citou o evangelho do dia, quando disse que Jesus veio ao mundo “não para trazer açúcar, mas sal, ou seja, para ser provocador” e para que a ação do cristão não se baseie apenas em palavras, mas em ações. “Se Jesus, que é Deus, tornou-se no mais humilde e simples ser humano, é este o projeto pastoral que trago para a Vila das Aves, ou seja, que não estejamos à espera que Deus resolva os nossos problemas, mas que sejamos nós a fazê-lo”.

“Podem contar comigo”, garantiu, para logo dizer que “não é o padre a figura central, mas sim a comunidade da Vila das Aves a que agora me orgulho de pertencer”. Consciente da diferença que os avenses vão sentir, pois pela primeira vez não têm um pároco “em exclusivo”, disse esperar “ajuda, tolerância e paciência, porque não poderei estar aqui o tempo todo”.

Depois de já ter deixado orientado o destino das instituições sociais da paróquia, agora a prioridade imediata é a “catequese para as nossas crianças”, prometendo que, com o tempo, irá conhecer e acompanhar os restantes grupos e movimentos paroquiais. “Vamos fazer caminho juntos”, prometendo mudanças, seguindo as palavras do Papa Francisco.

Já no final da celebração e depois de assinada a ata de tomada de posse, o Arcipreste de Famalicão, o Padre Francisco Carreira congratulou o novo pároco para a sua vontade de mudança, apontando que “temos de ser ousados e mudar a forma de evangelizar as comunidades”, mas neste processo não conta apenas o padre, mas “todos os cristãos, ou seja, a comunidade. Dirigindo-se ao colega, apelou à sua “juventude e criatividade missionária”, pedindo a sua oração pelos novos paroquianos, mas também que estes rezem pelo novo pastor. “Se ele errar, porque vai errar, perdoai-o e amai-o, pois ele agora também é parte da vossa família”, apontou o arcipreste.

A celebração terminou com a informação de que, de imediato, a Vila das Aves passará a ter a sua celebração eucarística vespertina, ao sábado, pelas 17 horas, ao passo que a missa dominical será às 10h30.

 

Gratidão ao Padre Fernando Abreu

Apesar de ausente, o padre Fernando Azevedo Abreu não foi esquecido na hora de passar o testemunho. A doença oncológica diagnosticada subitamente em Janeiro deste ano precipitou a saída do homem que esteve quase 40 anos como pároco desta comunidade.
Eugénia Dias, do Conselho Económico Paroquial, disse que a Vila das Aves “nunca saberá agradecer o suficiente” ao padre Fernando. Já o padre José Carlos Sá falou do seu antecessor como “um amigo”, a quem sempre ajudou nas confissões e, mais recentemente, durante a sua convalescença à cirurgia a que foi sujeito, substituindo-o em algumas celebrações. Disse “pensar de forma muito diferente da do padre Fernando, mas por quem tem grande respeito”.

Finalmente, o Arcipreste famalicense falou do anterior pároco como um homem que “deu tanto de si a uma paróquia”, pedindo uma calorosa salva de palmas de toda a assembleia em sinal de “gratidão”.
Celso Campos