CPP de Vila das Aves ouviu reflexão sínodo dos jovens


Jovens querem ser protagonistas na Igreja


Mais do que falar para os jovens, o que estes querem é que a Igreja ouça os jovens. Essa foi uma das revelações do documento présinodal que foi apresentado sábado na reunião do Conselho Pastoral Paroquial de Vila das Aves, por Alexandre Silva, o responsável pela pastora juvenil nesta paróquia do Arciprestado de Famalicão.

imagem01

Na véspera do sínodo em Roma, pelo Papa Francisco foi evidenciado que “está aberto o caminho para a Igreja fazer maior inclusão dos jovens na própria Igreja”. Nos trabalhos preparatórios estiveram reunidos mais de trezentos jovens e mais de 25 mil participaram nos trabalhos através das redes sociais. “É a igreja a usar um dos principais meios de os jovens comunicar entre si”, indicou Alexandre Silva, para quem a Igreja está habituada falar para os jovens, mas pouco os ouve. 
Procurando identificar os desafios e oportunidades dos jovens no mundo de hoje, o responsável avense indicou que um deles é a formação da personalidade e aqui procuram locais, comunidades, grupos onde se tentam integrar. Neste aspeto, nem a paróquia ou a própria Igreja aparecem como local de eleição. Para muitos “a religião é um assunto privado”. Até acreditam em Deus “mas guardam para si, pois se partilharem esta convicção são postos de parte”.

Outro desafio é a relação com os outros e aqui está talvez a maior transformação face ao passado. Antigamente a relação era pessoal, mas agora “as relações existem atrás de um computador, do Facebook ou do Instagram e aí raramente se encontra a Igreja”.
De resto, esta relação com a tecnologia tem sido ao mesmo tempo enriquecedora , mas também tem gerado dependência, substituindo muitas vezes as relações humanas e até com Deus. “Leva à perda de identidade e à criação de uma personalidade virtual”, apontou, salientando que se trata de “cultura ditatorial de dependência das redes sociais”. De forma simplista revela que os jovens preocupam-se mais “com o que os outros pensam de mim e não com o que eu quero para mim”.

A busca do sentido da vida.
A maioria dos jovens não sabe responder ao que quer da sua vida. Alexandre Silva diz que “vivem rodeados de barulho, não sabem fazer silêncio e não sabem interrogar-se”. A juventude perdeu a confiança nas instituições e nas nas religiões tradicionais, apesar de se declararem abertos à espiritualidade.
De resto, “existe uma grande divergência entre os jovens, quer na Igreja, no mundo e na religião. São os temas da contracepção, do aborto, a homosexualidade, a convivência, o matrimônio ou o sacerdócio que geram controvérsia. “Há aqueles que concordam com a visão da Igreja, outros gostariam de mais esclarecimento e outros rejeitam liminarmente a visão da Igreja.
Outra nota interessante é a de que os jovens “pedem testemunhos autênticos da vivência cristã e de fé. Querem exemplos a seguir para se apaixonarem por Jesus”, salientou o responsável avense pela pastoral juvenil. “Querem mais oportunidades, ser escutados e não ser meros espectadores da sociedade”, por isso, na Igreja, procuram alegria e desejam ver exemplos vivos e não apenas palavras e, muitas vezes, sem reconhecer os seus próprios erros. Em síntese, “procuram uma Igreja autêntica”.
Celso Campos

Padre Fernando evoca em livro conquista da taça pelo CD Aves

imagem02

Antes da reunião do Conselho Pastoral Paroquial propriamente dito, foi feita a apresentação do novo livro do Padre Fernando Azevedo Abreu. O pároco de Vila das Aves editou o livro intitulado de “O mítico Desportivo das Aves”, onde evoca a histórica conquista da taça de Portugal de futebol pelo Clube Desportivo das Aves ao Sporting no estádio do Jamor em 20 de Maio passado.
A apresentação da capa pertenceu ao seu autor, ao professor Alberto José herdeiro Brito Gonçalves, onde evidencia o papel principal dos adeptos como pano de fundo e do troféu, a taça, em grande plano.

Sobre o livro diz ilustrar a forma de estar e de ver o mundo do Padre Fernando, uma marca sempre presente, neste que é o décimo sétimo livro que edita.